O herpes simples é a doença causada por vírus mais comum do mundo.

Em geral, já na infância entramos em contato com o vírus, que é transmitido pela saliva, e ele fica em latência nos gânglios neurais. Em algumas pessoas, ele nunca irá se manifestar, porém, outras podem ter diversas crises ao ano.

 

O que pode desencadear uma crise de herpes?

Vários fatores podem ser o gatilho de uma crise herpética, mas o porque de desencadearem apenas em algumas pessoas, ainda não sabemos. São eles:

  • Estresse

  • Exposição solar

  • Infecções virais, como gripes e resfriados

  • Alterações hormonais

  • Queda da imunidade

  • Uso de corticoide oral

Como são os sintomas do herpes simples?

A doença é dividida em fases:

  1. Período prodrômico: a maioria das pessoas recebe um “aviso” do organismo que uma crise está começando. Ardência, dor, vermelhidão, podem surgir 24h antes das lesões da pele. Quem consegue reconhecer esses avisos, já pode iniciar o tratamento nessa fase, e assim pode ocorrer uma crise menos intensa.

  2.  Período Clínico Ativo: vem logo após o período prodrômico, com o aparecimento de bolinhas que evoluem para pequenas bolhas que começam a formar feridas. Esse período dura de 2 a 4 dias. As bolhas estão lotadas de partículas virais, então, quando rompidas, são altamente infectantes, inclusive para a própria pessoa, se espalhando ao redor ou para outros locais, por autoinoculação, se as mãos ficarem contaminadas

  3. O Período Reparatório: as vesículas e bolhas ficam menores e a área mais seca, com crostas que duram de 2 a 4 dias.

Por que tratar o herpes labial ou de outras partes do corpo?

O que mais vejo na prática diária são pessoas tratando as crises erradamente, ou simplesmente, não tratando. Pela lógica popular, se elas desaparecerão sozinhas em até 1 semana, seria realmente necessário tratar?

A resposta aqui precisa ser enfática : SIM!!!

O tratamento atua reduzindo a multiplicação do vírus, e com isso, a intensidade, duração e frequência das crises. Além também, de reduzir sua transmissão.

A cada crise, quando o vírus sai do gânglio neural e vai para a pele, uma nova fase de multiplicação de vírus se inicia.

Depois essa quantidade extra de vírus gerada, volta para ficar em latência no gânglio neural, como se estivessem “dormindo” esperando a chance de uma nova crise.

Como agora estão em maior quantidade, novas crises ficam mais prováveis de ocorrer.

Se a cada crise, a medicação correta for administrada, menos vírus sobrarão ali armazenados, e assim, cada vez mais as crises vão se espaçando.

Quando surgirem, tenderão a ser mais brandas e talvez menos transmissíveis.

 

Como é o tratamento do herpes simples?

tratamento para herpes

O herpes labial, genital ou em qualquer outra parte do corpo deve ser tratado com comprimidos!!!

O uso de pomadas não apresenta nenhum efeito na redução dessa multiplicação viral.

 

Por que o tratamento do herpes precisa ser via oral?

Para conseguir atuar na redução da replicação viral, as moléculas do medicamento devem chegar no interior de células da pele e de nervos, pois esse é o local onde cada partícula viral está sendo construída.

Somente um tratamento antiviral por via oral, com absorção intestinal e cujas moléculas viabilizem sua chegada nas lesões através da corrente sanguínea, apresentará efeito nessa cadeia de replicação.

Uma pomada de aciclovir não é capaz de penetrar no local.

Por que alguns médicos ainda insistem nas pomadas antivirais de aciclovir?

O uso da pomada, apesar de não apresentar efeito na replicação do vírus, pode acelerar a cicatrização das lesões daquela crise em si.

O próprio efeito oclusivo da pomada, reduz o contato das mãos da pessoa nas lesões, reduzindo assim, que as lesões espalhem ao redor ou ainda, que o vírus seja disseminado.

Só não sabemos se traz algum benefício a pomada ser antiviral, ou qualquer outra pomada reparadora poderia fazer esse efeito.

O tratamento tópico pode, então, ser indicado, mas sempre associado aos comprimidos.

 

Que medicações são utilizadas para tratar e como usá-las?

A medicação oral deve ser iniciada logo aos primeiros sintomas. Sua eficácia é maior quanto mais precoce for feita. No período de crostas, quando as bolhas já estouraram, pode não trazer mais grande vantagem.

 

  • ACICLOVIR ORAL

É a medicação mais acessível em relação ao preço, por isso, a mais utilizada.

Existem comprimidos de 200mg ou 400mg. O mais comum é tomar 1 comprimido de 200mg, 5x ao dia, por 5 dias.

Também é possível fazer 400mg, 3x ao dia, por 5dias.

Apesar de ser a mais utilizada, sua eficácia é inferior em relação a outros antivirais: valaciclovir e fanciclovir.

 

  • VALACICLOVIR

A forma de administrar também pode sofrer algumas alterações, de acordo com variadas publicações científicas.

O mais comum é se administrar 500mg (1 comprimido) a cada 12h, por 5dias.

Outra forma sugerida é fazer 2 comprimidos a cada 12horas, por 2 a 3 dias.

 

O valaciclovir, apesar de mais caro, é uma evolução do aciclovir.

O mecanismo de ação é o mesmo, porém, a concentração do valaciclovir que consegue chegar até o plasma depois da ingestão oral, é bem maior, garantindo uma maior eficácia.

 

A escolha então será de acordo com o poder aquisitivo de cada um. Não quer dizer que o aciclovir não funcione. Apenas existe hoje, opção superior a ele.

  • FANCICLOVIR É outra opção com eficácia semelhante ao valaciclovir.
  • POMADAS ANTIVIRAIS

Pomada de aciclovir ou penciclovir podem ser usadas, associadas ao tratamento oral.

Higienizar a área com lenços descartáveis e aplicar com cotonete, para a mão não contaminar as lesões e também para as lesões não contaminarem as mãos.

 

  • POMADAS DE ANTIBIÓTICO

São reservadas para os casos em que ocorre contaminação por bactérias. Surge pus no local.

 

Além dos tratamentos, é necessário manter sempre o local limpo, utilizando lenços descartáveis. A cada bolha que se romper, é indicado secar bem a área toda ao redor, evitando contaminação por autoinoculação.

 

Como prevenir crises de herpes?

herpes simples

Já falamos sobre os fatores que podem desencadear uma crise. Então, sempre que possível, deve-se evitá-los.

Outras dicas que costumo dar aos pacientes são:

  • Se for fazer uma viagem para local de praia e sabe que é muito comum ter herpes quando vai ao sol, pode ser feito um tratamento alguns dias antes da viagem para prevenir

  • Existem formas de prevenção das crises que pode ser feita o ano inteiro ou durante o verão

  • Sugiro a prevenção de crises para noivas quando o casamento estiver se aproximando

  • Antes de procedimentos com laser daqueles que fazem mais machucado na pele, ou preenchimento de lábios, é importante conhecer se o paciente tem histórico de herpes e fazer a prevenção por alguns dias antes do procedimento.

    Para alguns procedimentos, a prevenção é feita mesmo para quem nunca teve nenhuma crise, pois como o herpes é um vírus muito comum, é possível que a pessoa tenha ele adormecido e um procedimento mais abrasivo possa “acordá-lo”.

E quais são as opções de tratamento usadas para a prevenção de crises?

Para quem tem crises com muita frequência, podemos fazer um tratamento a longo prazo, com aciclovir em baixas doses e também L-lisina.

Tanto aciclovir quanto L-lisina podem ser utilizados como tratamento e também como prevenção ao herpes.

 

Qual a dose de aciclovir na prevenção de crises de herpes?

No caso de pessoas com mais de 6 crises ao ano, pode ser indicado essa terapia que chamamos de terapia supressiva.

O esquema pode sofrer algumas variações. O mais comumente utilizado é o seguinte:

  • Aciclovir 400 mg, via oral, 12/12h, por até 6 anos ou

  • Valaciclovir 500 mg, via oral, 1xdia, por até 1 ano ou

  • Fanciclovir 250 mg, vira oral, 12/12h, por até 1 ano

O que é L-Lisina?

L-lisina ou lisina, é um aminoácido que precisamos no nosso corpo e não conseguimos produzir. É ingerido em alguns alimentos e pode ser suplementado na forma de comprimidos.

Diversos estudos mostram bons resultados com a suplementação na dose entre 500mg e 3000mg ao dia, tanto na diminuição do número de crises, quanto na intensidade das crises.

Ela pode ser utilizada por longos períodos e é bastante segura, com poucos efeitos colaterais. Mesmo no tratamento de uma crise, pode ser interessante associar um antiviral como aciclovir ou valaciclovir, com a lisina.

É importante prestar atenção na alimentação, porque alguns alimentos podem ajudar a reduzir o número de crises, que são os alimentos ricos em lisina, mas outros alimentos podem piorar esse número, que são os alimentos ricos em arginina.

 

Que alimentos devo evitar se tenho herpes de repetição?

A arginina é um aminoácido que quando em excesso, estimula o número e intensidade de crises de herpes. Por isso, evitar comer alimentos ricos em arginina ajuda a controlar as infecções. São eles:

  • Chocolate

  • Amendoim

  • Castanha

  • Nozes

  • Avelã

  • Milho/pipoca

  • Coco

Não quer dizer que esses alimentos façam mal à saúde!!

A arginina tem funções muito importantes no organismo.

Ela aumenta a imunidade, ajuda a cicatrizar feridas, melhora a circulação do sangue, ajudando na pressão alta, e aumenta ganho de massa muscular.

Porém especificamente os pacientes que tem crises frequentes de herpes, devem evitar seu consumo, pois alguns trabalhos sugerem essa associação.

A arginina parece favorecer a multiplicação do vírus.

 

Que alimentos são bons para o herpes?

Enquanto os alimentos a base de arginina devem ser evitados, os alimentos a base de lisina devem ser estimulados.

Já falamos da opção de suplementar a lisina, mas a associação de uma boa dieta com o comprimido será ainda melhor.

Então, o paciente deve introduzir os seguintes alimentos na dieta:

  • Leite

  • Soja

  • Carne (principalmente frango e peru)

  • Peixe

  • Ovo (principalmente a gema)

  • Ervilha

Como tratar o herpes em gestantes?

As gestantes também podem e devem tratar as crises de herpes, em qualquer trimestre da gestação.

Em geral, nesse caso optamos pelo aciclovir.

O médico pode decidir fazer a mesma dose que faria para não grávidas, ou uma dose um pouco maior.

No caso de herpes genital, se houver lesão ativa próxima ao canal de parto, é indicado realizar cesariana.

Nos casos de gestante com herpes genital que foi recorrente durante a gravidez, pode ser considerada a profilaxia com aciclovir nas semanas que antecedem o parto. A necessidade disso, o tempo e a dose devem sempre ser discutidas e decididas pelo obstetra

 

Vimos que a forma de abordar e tratar o herpes não é tão simples como antigamente. É necessário explicar o motivo de fazer sempre tratamento oral, evitar os fatores que podem desencadear e fazer tratamento de prevenção de crises para quem precisa.

A orientação sobre a dieta na maioria das vezes é esquecida pelo dermatologista ou ginecologista, mas é superimportante.

Se tiver dúvidas sobre o tema ou precisar de ajuda no seu tratamento de herpes simples por favor deixe uma mensagem no blog ou marque uma consulta no consultório.

 

Ficarei muito feliz em poder ajudar.

 

Deixe um comentário